segunda-feira, 15 de maio de 2017

Seu leite pode salvar vidas, uma ação Dove

Recentemente estivemos no lançamento da campanha Baby Dove com Realização do Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros "Seu leite pode salvar vidas".




Estiveram presentes Rafa Brites que recentemente deu a Luz Rocco e mães convidadas que passaram pela UTI neo com seus lindos filhos prematuros.




Elas puderam relatar como foi o dia a dia na UTI e o quanto a doação de leite materno é importante para esses bebês que chegaram antes do tempo.
Eu fui uma mãe com muito leite, Helô por motivos de inexperiência minha não conseguiu ser amamentada com meu leite materno ,no entanto se eu soubesse na época o quanto eu poderia ajudar e até mesmo salvar vidas eu teria continuado com a produção de leite materno mesmo que somente para doação.
Não falarei neste post sobre minha experiência mas sim deixarei a seguir todas as informações necessárias para você saber que pode ajudar muitos bebês nas uti's neo .
CAMPANHA “SEU LEITE PODE SALVAR VIDAS”
Baby Dove, marca de cuidados de higiene infantil da Unilever, estabeleceu uma parceria com o banco de leite do Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros – centro de referência no Estado de São Paulo, com a missão de ampliar a doação de leite materno humano. Queremos dar visibilidade à causa e ajudar que mais mulheres doem leite materno, e ajudem assim a salvar a vida de milhares de prematuros.
No Brasil, a prematuridade é a principal causa de mortalidade de bebês com até sete dias de vida. Por hora, 40 bebês nascem antes do tempo, colocando o Brasil entre os 10 países com maior índice de partos prematuros no mundo. Os cuidados com os bebês prematuros incluem a amamentação com leite materno que além de nutrir, fornece anticorpos naturais para defesa de seus organismos frágeis. Como nem toda mãe consegue produzir leite para os seus filhos, o banco de leite humano é a principal iniciativa para frear a mortalidade de prematuros.
Para amplificar a causa, fazendo com que mais pessoas se engajem, Baby Dove traz a campanha Seu Leite Pode Salvar Vidas.






POR QUE O LEITE MATERNO É TÃO IMPORTANTE PARA OS BEBÊS PREMATUROS?

Considerado tanto pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) o único alimento capaz de nutrir todas as necessidades de um bebê, o leite materno conta com 160 substâncias de suma importância para o desenvolvimento, como proteínas, carboidratos e gorduras, além de anticorpos e glóbulos brancos, sendo um insumo essencial na redução da mortalidade infantil.
Bebês prematuros alimentados desde o seu nascimento com leite materno têm maiores chances de recuperação mais rápida, com grandes benefícios no desenvolvimento neurológico, cardíaco, pulmonar e gastrointestinal. A amamentação com leite materno também reduz a frequência de doenças crônicas que podem surgir na infância ou adolescência.

DOAÇÃO DE LEITE MATERNO

Para facilitar e estimular a doação, os bancos de leite buscam o leite excedente produzido e armazenado pela mãe em fase de amamentação, seja em sua própria casa, mas também dispõe de salas de coleta para quem preferir extrair (ordenha) no local. O leite extraído pela mãe doadora pode ser congelado em recipiente esterilizado por 15 dias, enquanto o leite que passou pelo processo de pasteurização pode ser mantido por até seis meses. No tutorial você tem o passo a passo – é importante seguir as regras de segurança e higiene para coleta e armazenagem, já que até 30% do leite doado é perdido por não ter sido feito da maneira correta.
Quanto mais a mãe amamenta seu bebê, mais leite ela terá e este excedente pode ser doado, independente da idade do filho da mãe doadora. O leite materno é separado de acordo com sua fase – colostro, leite de transição e leite maduro – e administrado para os prematuros conforme a necessidade.

DOAÇÃO DE LEITE NO BRASIL

A Rede de Bancos de Leite Humano brasileira é a maior e mais complexa, sendo considerada pela OMS referência para outros países, mas, mesmo com todo o reconhecimento e trabalho de conscientização, ainda encontra resistência em conseguir doadoras. Dentre os 292 Bancos de Leite existentes no mundo, o Brasil conta com 218 unidades, contabilizando, nos últimos três anos, 89,2% dos 1,1 milhão de litros coletados. Muitas mulheres acreditam que tem pouco leite, que seu leite é fraco ou que não existe necessidade de doação. Mas cada leite doado, independente da quantidade, é primordial para salvar a vida de bebês prematuros.
O período de férias e o tempo frio são ainda mais críticos, já que muitas mães viajam ou as temperaturas mais baixas deixam as mães sem tanta disposição. Só em 2014 em São Paulo, o número de bebês prematuros internados era de 79.375, mas apenas 26.826 receberam leite materno doado – isso significa que menos da metade dos bebês puderam se beneficiar do leite materno em seu desenvolvimento.

PARA QUEM VAI O LEITE DOADO?

Os bancos de leite oferecem suporte para mães e recém-nascidos prematuros. Bebês nascidos abaixo de 29 até 34 semanas são considerados prematuros, podendo ficar internados em Unidades de Tratamento Intensivo até seu completo desenvolvimento. E são para estes bebês que os bancos existem.
Os hospitais e maternidades dão prioridade para os bebês internados em suas unidades. Os receptores que serão alimentados com leite materno são:
Bebês prematuros e recém-nascidos que nasceram abaixo do peso e não sugam;Recém-nascidos com algum tipo de infecção, especialmente as intestinais;Bebês portadores de deficiência imunológica;Bebês com alergia alimentar.
Cada litro de leite doado pode alimentar até dez bebês prematuros em um único dia. Ainda assim, a doação é muito baixa para atender toda a demanda. Por isso cada gota de leite pode ser determinante para salvar vidas.

COMO SURGIRAM OS BANCOS DE LEITE?

O primeiro Banco de Leite no Brasil foi inaugurado em 1943. Sua principal função era coletar e distribuir leite materno para o atendimento de casos especiais, como a prematuridade. Quase 40 anos depois, em 1980, a taxa de mortalidade infantil era altíssima no país. Foi a partir daí que médicos pediatras ligados a Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) iniciaram medidas para incentivar o aleitamento precoce e não separar os bebês de suas mães. Em 1985 os Bancos de Leite são oficializados como política de saúde pública brasileira.

Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros

Fundado em 1944 como Casa Maternal e da Infância, a maternidade está localizada na zona leste de São Paulo. Desde 1988, a instituição conta com o Banco de Leite Humano e funciona como Centro de Referência para Bancos de Leite Humano da Região da capital e Grande São Paulo. Em 2000, a maternidade recebe o título “Hospital Amigo da Criança”, prêmio concedido pela implantação do Programa de Aleitamento Materno, feito em parceria com o UNICEF e a Organização Mundial de Saúde (OMS). Por conta do trabalho realizado pelo Banco de Leite, além de práticas em prol da saúde e bem-estar de mães e bebês, a instituição é parceria do projeto “Seu Leite Pode Salvar Vidas”.

BANCOS DE LEITE – O QUE SÃO E POR QUE EXISTEM?

O banco de leite humano é a principal iniciativa para frear a mortalidade de bebês prematuros. Isso porque um dos insumos mais fortes para tratar vidas tão frágeis é o leite materno - os cuidados com os bebês prematuros incluem a amamentação com leite materno que além de nutrir, fornece anticorpos naturais para defesa de seus organismos frágeis. No entanto, nem todos os prematuros conseguem mamar de forma instintiva, ou a mãe não tem a produção correta dos hormônios necessários para a lactação.
Por isso os bancos atuam como importantes agentes, porém, os bancos de leite no Brasil enfrentam um grave problema que são os estoques baixos e poucas doadoras. Os bancos de leite são abertos à comunidade, sempre vinculados a hospitais e maternidades e tudo começa com a coleta, auxiliada por profissionais treinados: desde a massagem correta para a estimulação, ordenha e estocagem. O leite é selecionado e classificado, passando pela pasteurização em banho-maria, resfriamento e congelamento, podendo ser armazenado assim por até seis meses.
Em 2016, o Brasil se tornou referência mundial pela OMS (Organização Mundial de Saúde) como uma das redes mais complexas do mundo, tendo a maior quantidade de doadoras e de litros de leite materno doados, além de exportar sua tecnologia para outros 25 países. Hoje o Brasil representa 72,9% de todo o armazenamento do mundo, contando com 218 unidades espalhadas pelo país. Porém, o número está longe de ser o ideal, já que apenas 60% da demanda do país consegue ser atendida.

COMO FUNCIONA UM BANCO DE LEITE?

Uma das principais funções do banco de leite é estimular e manter a qualidade do leite das mães de bebês prematuros e também daquelas que possuem leite e podem doar. Isso significa orientar como o leite deve ser retirado e armazenado, pasteurizar e distribuir. Parte dos bancos coleta o leite na casa da própria doadora ou contam com a ajuda do SAMU e Corpo de Bombeiros, porém, a mobilidade ainda é um dos pontos críticos para que mais doações sejam feitas.
Todos os bancos de leite possuem consultórios de amamentação e equipes treinadas para auxiliar quem tem dúvidas ou dificuldades – tudo isso de forma gratuita para a população. Os bancos são seguros e seguem rigorosos procedimentos de coleta e processamento para garantir a qualidade do leite que será consumido pelos bebês prematuros.





Para mais informações ligue:
Disque Saúde 136
Ou acesse :Ouvidoria geral do SUS

Vamos espalhar a informação e fazer essa corrente do bem crescer...
Use as hashtags : #DoeLeiteMaterno #AjudeUmPrematuro