sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Sementes Terapêuticas amenizam as cólicas dos bebês

Algoducci lança bolsinha térmica para aliviar o desconforto das cólicas intestinais 

Uma das preocupações e muitas vezes até de desespero por parte dos pais é a fase das cólicas dos bebês, que começa a aparecer por volta de duas a três semanas após o nascimento.  Nessas horas, é comum as mamães de primeira viagem ligarem para as vovós para saber o que fazer atrás de uma “receitinha caseira”, entre elas o famoso chazinho de camomila e erva-doce. E foi pensando nessa receita da vovó que a Algoducci criou a “Bolsinha Térmica com Sementes Terapêuticas”, para amenizar o desconforto das cólicas.



A receita seguida pela empresária Regina Villanueva, na época em que seus filhos eram recém-nascidos, foi a inspiração para a criação, e acabou virando um produto da marca Algoducci. A Bolsinha Térmica com Sementes Terapêuticas contém erva-doce, camomila, linhaça e capim-santo para dar um cheirinho especial. O produto é confeccionado em tecido 100% algodão permeável e pode ser lavado.



Além de ser recomendável para amenizar o desconforto tanto das cólicas quanto dos gases dos bebês, a bolsinha também é indicada para cólicas menstruais, informa a empresária Regina Villanueva, idealizadora da marca. Quanto a forma de utilização Regina explica: “A bolsinha deve ser aquecida no micro-ondas em média 30 a 40 segundos, mas é aconselhável que a mãe teste a temperatura antes de colocar na barriguinha do bebê, por cima da roupinha, até que os sintomas passem”.



Muitas são as dúvidas e inseguranças quanto aos motivos do choro do bebê, que servem de alerta para as mães. E para falar sobre esse assunto, consultamos a pediatra Dra. Loretta Campos, que esclarece: “As cólicas podem ser identificadas quando o bebê chora com intensidade, encolhe as perninhas e arqueia as costas para trás, estica-se e se espreme, além de soltar puns. Normalmente a cólica ataca no final da tarde e à noite, mas em casos mais difíceis o bebê chora a qualquer hora do dia. Pode ficar difícil dar de mamar para o bebê quando ele está tão desconfortável, algumas vezes a cólica pode aparecer durante a amamentação”, explica a médica.



Serviço:

Site: www.algoducci.com.br

Telefone: (11) 99466-4004

E-mail: contato@algoducci.com.br



Sobre a Algoducci - luxuosa confecção de mantas em tricot italiano e enxovais para casa e bebê, no mercado desde 2012, representa um convite ao bem-estar, às melhores memórias afetivas e à sensibilidade. Evoca estes sentidos através de formas, cores e texturas. A marca é liderada pela arquiteta e urbanista Regina Villanueva, que desde a infância sonhava em unir duas paixões: a arquitetura e os negócios. Cada peça recebe em seu DNA, a exclusividade e a assinatura de um projeto único. Os elementos de cada coleção criam atmosferas leves e aconchegantes, revelando um conceito elegante e sofisticado, sem perder a inocência e a leveza dos detalhes. Redes Sociais: Instagram: @algoducci  https://www.instagram.com/algoducci/





Loretta Campos

Pediatra pela Universidade de São Paulo (USP), Consultora Internacional em Aleitamento Materno (IBCLC), Consultora do sono, Educadora Parental pela Discipline Positive Association e membro das Sociedades Goiana e Brasileira de Pediatria. A médica aborda temas sobre aleitamento materno com ênfase na área comportamental da criança e parentalidade positiva. Redes Sociais: Instagram: @dralorettacampos https://www.instagram.com/dralorettapediatra/Facebook:@dralorettapediatra https://www.facebook.com/dralorettapediatra/

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Ginecologista alerta para os problemas da Diabetes Gestacional

Há riscos de partos prematuros, ruptura da bolsa e até de morte súbita


A diabetes gestacional é um distúrbio caracterizado pelo aumento do nível de açúcar no sangue nas grávidas e que pode levar a futuros problemas de saúde, tanto para a mãe, quanto para o bebê.

Um estudo realizado recentemente nos Estados Unidos com mais de 21 mil gestantes revelou que o consumo excessivo de batatas, antes da gravidez, pode ser um dos fatores que aumentam o risco das mulheres desenvolverem a diabetes gestacional.

O ginecologista e obstetra Dr. Domingos Mantelli, reforça que a diabetes gestacional geralmente ocorre em grávidas que têm tendência de desenvolver a doença, isto é, mulheres que já eram diabéticas ou que tiveram resistência periférica aumentada por conta da ação da insulina. “Durante a gestação a placenta produz um hormônio chamado Lactogênico Placentário, substância que faz com que aumente o risco de diabetes gestacional”, revela o médico.

O diagnóstico é feito por meio de dosagem de glicemia de jejum, além do teste oral de tolerância à glicose (TOTG), exame que mede a curva glicêmica da paciente.

Além de aumentar o peso do bebê, a diabetes faz com que uma quantidade maior de glicose fique no sangue da mãe e, consequentemente, obriga o pâncreas do bebê a produzir mais insulina para poder queimar essa glicose. Todavia, mesmo com o ganho de peso, os bebês ficam extremamente frágeis após nascimento, já que costumam ter crises de hipoglicemia pela alta produção de insulina.

Mantelli alerta que o fato da diabetes estar descontrolada pode trazer várias consequências para  a saúde da mãe e do filho como, por exemplo, trabalho de parto prematuro, ruptura prematura de bolsa, risco maior de morte súbita, peso excessivo ao nascer, além de diversas alterações físicas prejudiciais.

Para o ginecologista, existem alguns cuidados e tratamentos que devem ser feitos de acordo com o grau de diabetes, podendo controlar por intermédio de dieta ou insulina. “Basicamente, o tratamento é feito com mudanças nos hábitos alimentares, atividades físicas e aplicação de insulina para regular a glicemia. Estes cuidados evitarão que o bebê sofra os efeitos deletérios de uma carga glicêmica tão alta”, conclui.



Sobre Dr. Domingos Mantelli

Dr. Domingos Mantelli é ginecologista e obstetra, com formação em neurolinguística e atuação na área de medicina psicossomática. É formado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro (UNISA) e possui residência médica na área de ginecologia e obstetrícia pela mesma instituição. Também é autor do livro “Gestação: mitos e verdades sob o olhar do obstetra”.