quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Cordão umbilical

Sabe aquela história de :"Criamos os filhos para o mundo?"

Então o único problema é que o mundo ainda não merece, não ama o suficiente para doarmos nossos filhos a ele!

Dito isso desabafo o dilema de uma mãe que ainda não cortou o cordão umbilical de sua filha de 7 anos.

Mas será que em algum momento da vida conseguimos mesmo desfazêr os laços que esse cordão cria à partir da concepção?

Difícil mesmo não é criar,é se afastar é dar liberdade,asas para uma longa vida.

Um dia desses desabafei com minha mãe que mora no interior de São Paulo que eu não teria com quem deixar Helô por 1 semana em janeiro, já que tenho apenas um recesso no trabalho.
E a pessoa que me ajuda com ela também é filha de Deus e precisa de férias!

Minha mãe como sempre achou a solução.
Deixe eu trazê-lá para passar uns dias aqui,disse ela.

Como minha idéia era que essa opção que eu não consideraria só seria para meados de janeiro, eu realmente não considerei pensar sobre.

Então eis que ela já essa semana veio ficar uns dias em nossa casa e novamente e tão rapidamente a hipótese que eu não havia nem se quer levado a sério caiu sobre mim antes do que eu imaginava.

Ao invés de Helô ir passar os dias que eu de fato precisaria me gói proposto que a deuxase ir passar o natal com minha família, já que como trabalho nas vésperas das festas nunca passamos com eles.

Um nó na garganta surge ...
Além de ter de digerir o fato de ficar a km de distância, torcendo para que ela tenha uma semana imensamente feliz e cheia de lembranças que eu quero SIM que ela tenha de sua infância, eu ainda tenho de digerir o fato de passar o primeiro natal longe do meu bem mais precioso.

Então o nó na garganta agora aumenta porque enquanto compartilho essa história ela vai tendo mais espaço dentro de mim.

Então volto a mencionar o fato de o mundo não merecer nossos filhos...
Não sou complexa até tento ignorar muita coisa para poder viver ao invés de temer...
Mas me entendam...eu não estarei por perto para protegê-lá de nada nem ninguém.
São tantos os momentos bons que ela pode viver nessa aventura se passar uma semana sem regras na casa da avó, mas também são tantos os riscos que novamente o nó cresce em minha garganta.

Mas é minha mãe quem cuidará do meu bem mais precioso, ela merece esse momento elas merecem esse momento.

Eu terei de ignorar os perigos de uma viagem pela estrada nessa época do ano em que as pessoas estão tão alucinadas, terei de ignorar o fato de que existe muitas pessoas más nesse mundo que não respeitam a inocência de uma infância.

Terei hoje quando chegar do trabalho,arrumar uma mala com muito carinho ,pensando na hipótese de fazer muito calor ou de esfriar e dobrar com muito cuidado a roupinha que escolhi para ela usar neste natal,comigo.
Terei que torcer para minha mãe e irmãs me mandarem fotos de hora em hora e terei que desfazer esse nó na garganta para que minha filha tenha tantas lembranças boas da infância quanto eu tenho.
Terei uma semana para sentir a intensidade de ter seu maior amor longe...